Avaliação da Taxa de Sobrevivência e da Condição Periimplantar em Pacientes Periodontalmente Comprometidos: Estudo Transversal de Implantes em Função Por um Período de 10 a 18 Anos

Nome: Guilherme da Rocha Scalzer Lopes
Tipo: Dissertação de mestrado profissional
Data de publicação: 08/08/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Selva Maria Gonçalves Guerra Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alfredo Carlos Rodrigues Feitosa Coorientador
Elizabeth Pimentel Rosetti Examinador Interno
Renato Sussumu Nishioka Examinador Externo
Selva Maria Gonçalves Guerra Orientador

Resumo: Apesar da alta taxa de sobrevivência dos implantes dentários, a região peri-implantar pode apresentar quadros inflamatórios conhecidos como mucosite peri-implantar, que quando não tratados podem evoluir para peri-implantite. Ambas as patologias são inflamações induzidas pelo biofilme de maneira similar a etiopatogenia das doenças periodontais. O objetivo do estudo foi avaliar a taxa de sobrevivência e o perfil peri-implantar em indivíduos com histórico de doença periodontal, pois eles poderiam ser mais suscetíveis às doenças inflamatórias peri-implantares. Sendo assim, o presente estudo avaliou, clínica e radiograficamente, 58 implantes instalados em sete indivíduos, tratados por uma mesma equipe de profissionais, em uma clínica privada da cidade de Vitória/ES, entre os anos de 1997 e 2005, de modo que no momento da coleta de dados todos os implantes apresentavam pelo menos 10 anos em função. Foram avaliadas as seguintes variáveis relacionadas aos implantes: índice de placa visível (IPV), índice de sangramento gengival marginal (ISGM), profundidade de sondagem peri-implantar (PSP), sangramento à sondagem peri-implantar (SSP) e nível ósseo marginal (NOM), a fim de relacioná-las à sobrevivência e à classificação dos implantes. Os resultados mostraram um índice de sobrevivência de 100% e a classificação dos 58 implantes se deu da seguinte forma: 11 (18,9%) foram classificados como saudáveis e 12 (20,7%) como clinicamente estáveis. Os outros 35 implantes (60,4%) apresentaram algum tipo de inflamação peri-implantar, sendo 20 deles (34,5%) diagnosticados com mucosite e 15 (25,9%) com peri-implantite. Dentre as variáveis estudadas, diferenças estatisticamente significativas foram observadas somente para a localização do implante (p<0,01) e para o índice de sangramento gengival marginal (ISGM) (p=0,03). A maioria dos implantes instalados em maxila (85,7%) foram classificados com algum tipo de inflamação peri-implantar (mucosite ou peri-implantite). Para os implantes que apresentaram escore 1 para o ISGM a maioria (75,0%) também foi classificada com algum tipo de inflamação peri-implantar (mucosite ou peri-implantite). O estudo demostrou que implantes instalados em pacientes periodontalmente comprometidos podem apresentar altas taxas de sobrevivência em longo prazo. Porém, apesar dessa alta taxa de sobrevivência, a maioria dos implantes foi classificada com algum tipo de inflamação peri-implantar.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900